4 – Darwin, Gênesis, Paraíso, Teologia x Ciência, evolução, dilúvio, leis mosaicas, livros apócrifos

0
45

1) Os ditos teólogos creem no criacionismo, rejeitam o evolucionismo pregado pelos cientistas alegando ser contrário à narração bíblica do Gênesis. Qual a sua opinião sobre a Teoria da Evolução, proposta por Charles Darwin?

INRI CRISTO: “Em primeiro lugar, o verdadeiro teólogo é aquele que estuda as coisas de DEUS com a anuência de DEUS. A verdadeira sabedoria jamais colide com a verdadeira ciência. Quem se diz teólogo e rejeita as verdades científicas não passa de um embustólogo, falcatruólogo e engodólogo, disfarçado de teólogo. A verdade é e será sempre uma só. Darwin foi um homem iluminado, inspirado por DEUS, que cumpriu a missão de reativar, reavivar a mensagem já exposta pelo filósofo grego Anaximandro, há aproximadamente 2.600 anos. A chamada Teoria da Evolução não é meramente teoria e sim inspiração divina, é uma lei universal e eterna. Darwin apresentou à humanidade uma centelha da lei divina através de suas conclusões sobre a origem da vida na Terra. Da parte do SENHOR DEUS, meu PAI, eu vos explico a Bíblia do Gênesis ao Apocalipse sem entrar em choque ou contradição com a Ciência, que emana do ALTÍSSIMO. A vida iniciou-se numa forma muito simples e ao longo de milhões e milhões de anos evoluiu até atingir o ápice, que é o ser humano, ‘feito à imagem e semelhança de DEUS’ (Gênesis c.1 v.26). A evolução física dos seres vivos ocorreu paralelamente à evolução espiritual. Todavia, DEUS não se curva diante de calendário, Ele está além do tempo. Os sete dias simbólicos foram estabelecidos pelo SENHOR tão somente no intuito de facilitar a vida dos seres humanos. Um dia para Ele pode durar milhares e milhões de anos. A Bíblia deve ser lida com a anuência do alto e não como fazem os ditos teólogos, que a engolem ao pé da letra e se equivocam na interpretação, impondo o equívoco aos demais que neles creem”.

2) A busca de novos conhecimentos acerca do funcionamento da natureza física é importante? Estudar, desenvolver o raciocínio lógico e coisas do tipo é um caminho que engrandece o ser humano interiormente?

INRI CRISTO: “Buscar novos conhecimentos e desenvolver o raciocínio lógico é importante à medida que ajuda os seres humanos a compreender o mecanismo que rege as leis da natureza e, assim, a se conscientizarem da importância de respeitar a natureza. Darwin, por exemplo, devido ao longo e profundo estudo do ambiente natural, desenvolveu a teoria da evolução, que não é meramente uma teoria e sim inspiração divina. O conhecimento torna-se mais salutar quando acompanhado da consciência de DEUS”.

3) O Senhor afirma ter sido Adão, o primeiro homem e origem de todos, segundo o Gênesis. Se a narrativa foi escrita em linguagem simbólica, como Adão teria surgido?

INRI CRISTO: “Adão, ou Adam, não importa o nome que lhe seja atribuído, foi o ancestral da humanidade, o primeiro ser vivo com a característica e consciência de ‘ser humano’; foi ‘o primeiro macaco a nascer sem rabo’. Adão foi o primeiro Homus Sapiens Sapiens, oriundo do processo de evolução conforme explicitado pela inspiração de Darwin. Eu que vos falo sou o Primogênito de DEUS, Adão, que reencarnei como Noé, Abraão, Moisés, David, etc. depois como Jesus e agora como INRI. Adão nasceu do ventre de uma ‘macaca’ que obviamente foi fecundada por um ‘macaco’; a espécie dos símios que originaram Adão já nem existe mais, por isso não é possível definir com precisão científica. Adão foi feito do barro sim, mas há que se interpretar, com a anuência do ALTÍSSIMO, a simbologia das palavras. O barro que DEUS usou para formar Adão foram os ingredientes da mãe terra (frutas, sementes, raízes etc.) que facultaram a formação de seu corpo físico no ventre da genitora. Primeiro DEUS criou somente Adão e depois criou a Eva com a mesma característica humana (obviamente ela também foi originada da junção carnal de dois ‘macacos’). E então o SENHOR, que rege o Universo e o curso da natureza, propiciou a junção de Adão e Eva a fim de originar a humanidade”.

4) Se Adão e Eva foram o primeiro homem e a primeira mulher, como foi possível toda a humanidade ter descendido apenas dos dois?

INRI CRISTO: “Naqueles tempos não existia código de ética, portanto Adão e Eva e seus filhos e filhas naturalmente coabitavam entre si e assim proliferaram sucessivamente, dando origem à humanidade”.

5) Como o Senhor explica a diversidade de raças?

INRI CRISTO: “A diversidade de raças existe devido às diferenças cósmicas, geográficas e climáticas de cada região do planeta. A ciência já demonstrou em suas pesquisas que muitas vezes as diferenças genéticas entre dois negros são maiores do que as existentes entre um “branco” e um “negro”, por exemplo. O que se observa nas subsequentes gerações de animais silvestres quando submetidos ao isolamento reprodutivo (diferenciações genéticas) é o mesmo que acontece em relação aos seres humanos. A natureza tem seus sábios mecanismos insondáveis que propiciam este fenômeno e cada particularidade da natureza tem uma explicação lógica e racional. Se várias famílias de japoneses viessem morar no Brasil e se reproduzissem isoladamente por várias gerações subsequentes, sem a interferência de outras raças, as características físicas mudariam gradativamente devido à mudança geográfica e climática a que foram submetidos. Observe que cada raça em cada diferente região do planeta possui características físicas que se adaptam às circunstâncias de cada local”.

6) Depois do surgimento do primeiro casal humano (Adão e Eva), a lei natural da evolução das espécies foi derrogada na aplicação da evolução da espécie “símios” para a espécie “humana”? Por quê?

INRI CRISTO: “As primeiras gerações de seres humanos descenderam somente de Adão e Eva naquela região onde eles habitavam. Mas paralelamente à descendência de Adão e Eva houve sim seres humanos que também se originaram de ‘símios’ pelo mesmo processo evolutivo. Logo, não foi derrogada a lei natural da evolução das espécies neste caso específico. Mas ainda assim, de uma forma ou de outra, todos vieram de Adão, posto que antes do surgimento da espécie humana sobre o planeta Terra, Adão também já havia sido o primeiro macaco, o primeiro primata que deu origem aos posteriores primatas, e também antes de ser o primeiro macaco ele fora o primeiro réptil rastejante e assim sucessivamente na regressão da escala evolutiva… até os primórdios da criação divina: ‘No princípio existia o Verbo, e o Verbo estava com DEUS, e o Verbo era DEUS. Ele estava no princípio com DEUS’ (João c.1 v.1 e 2). Desta forma é possível compreender por que eu disse e está registrado no Apocalipse: ‘Eu sou o Alfa e o Ômega, o começo e o fim…’ E justo por ser quem digo que sou, meu PAI concedeu-me autoridade para explicar sobre essas coisas à luz da coerência e da lógica, indissociáveis da verdade”.

7) Em diversas culturas se encontram narrativas da criação do mundo semelhantes à encontrada na Bíblia. Percebe-se que a narrativa do gênesis parece mais uma reescrita do mito babilônico, talvez influenciada pelo confronto dos sacerdotes judeus com os babilônios durante o cativeiro. O que o Senhor acha disso?

INRI CRISTO: “Como é de conhecimento bíblico, Moisés foi um príncipe egípcio antes de saber que era judeu. Nesta condição de príncipe egípcio, ele tinha acesso à biblioteca mais rica daquela época. E na biblioteca egípcia havia os escritos dos Vedas; consequentemente, ele teve acesso ao conhecimento mais antigo, à história e à cultura mais antigas que existiam. A bem da verdade, mesmo sem saber, Moisés era instruído por DEUS, que o inspirou a resgatar dos registros dos Vedas o que era relevante para a narração da origem do mundo e da humanidade. Daí nasceu o Gênesis e por esta razão os registros de culturas de outros povos que também ‘copiaram’ os Vedas coincidem com o que está no Gênesis. Não existem duas verdades; a verdade é uma só. Mesmo que escrita por diferentes povos, por diferentes historiadores, em diferentes línguas, a verdade é sempre e continuará sempre uma só. O termo mito é subjetivo, questionável. Os mistérios de DEUS são insondáveis. Se DEUS inspirou Moisés a resgatar dos Vedas certos mistérios, dentre os quais o da criação do mundo, isso não significa que não tenha validade teológica. Quem preferir qualificar isso de mito, que qualifique; mas quem buscar na inspiração de DEUS a compreensão, encontrará. Convém sempre salientar que a Bíblia é um livro de letras mortas. Eis por que sempre ensino a meus discípulos: só com a anuência de DEUS o sincero buscador da verdade poderá compreender os mistérios das Sagradas Escrituras, pois nela existem inúmeras lendas, fábulas, parábolas, metáforas. Qualquer um que ler a Bíblia ao pé da letra, sem a ajuda de DEUS, tornar-se-á mais um fariseu fanático, energúmeno obstinado. Já os livres pensadores leem a Bíblia cabalisticamente e, com a anuência do ALTÍSSIMO, conseguem compreender seus mistérios dentro da coerência e da lógica, sem descer a ladeira do fanatismo e da esquizofrenia”.

8) Estudos antropológicos mostram que o monoteísmo e os dez mandamentos teriam sido criados no Egito por uma dissidência liderada por um faraó e o grupo que seguiu Moisés seria remanescente dessa corrente de pensamento. Este grupo teria sido perseguido pelo império egípcio e posteriormente voltado a ser politeísta. Qual sua opinião sobre essa hipótese?

INRI CRISTO: “Existe um equívoco nessa hipótese. Não foi meramente um grupo de dissidentes monoteístas que seguiu Moisés. Como bem está registrado nas Sagradas Escrituras, foram os descendentes de Abraão que seguiram Moisés, pois ele era o predestinado pela vontade de DEUS para resgatar o povo hebreu mantido em cativeiro no Egito. Raciocinemos, pois: se o grupo que seguiu Moisés deveras fosse remanescente de uma dissidência egípcia monoteísta, não haveria por que ele ter que ensinar àquele mesmo povo (até então politeísta) a lei de DEUS manifestada no monte Sinai, cujo primeiro mandamento era justamente uma exortação contrária ao politeísmo (‘Não terás outros deuses diante de mim…’ – Êxodo c.20 v.3 a 6). Ademais, não teria havido tantos traidores a confeccionar um bezerro de ouro quando ele demorou a voltar (Êxodo c.32). Portanto, raciocinando através da lógica, esses estudos não condizem com o que efetivamente sucedeu”.

9) Estudos arqueológicos mostram que os israelitas conviviam junto com os cananeus no mesmo território e dificilmente teriam entrado em conflito; as narrativas das conquistas de Josué seriam, portanto, narrativas de reis cananeus, reescritas na monarquia de Davi. Qual a sua consideração sobre esses estudos?

INRI CRISTO: “Falar que dificilmente os israelitas teriam entrado em conflito com os cananeus equivaleria a dizer, nos tempos atuais, que os Estados Unidos estariam vivendo em harmonia plena com Sadam Hussein, já que este fora treinado pela CIA na juventude. Equivaleria também a dizer que o povo iraniano jamais entraria em conflito com os EUA, posto que os Estados Unidos protegiam o Chá Reza Pavlev, imperador de uma dinastia milenar. Seria o mesmo dizer ainda que dificilmente o Brasil entraria em conflito com os Estados Unidos. Numa simples mudança de governo as relações diplomáticas já não são as mesmas, haja vista quando o Brasil entrou na ditadura e entrou em choque com os EUA. O Brasil chegou a comprar da Alemanha tecnologia para bomba atômica à revelia da vontade do prepotente Tio Sam, o então presidente americano Jim Carter. Dificilmente também se imaginaria que Hitler mandaria matar milhares de judeus e que os alemães fariam vista grossa. Mas isso aconteceu, está registrado na história. A guerra do Brasil com o Paraguai também dificilmente se poderia imaginar, e aí por diante… Em todas as épocas da história há mudança de líderes; em consequência, surgem os conflitos de interesses, as mudanças nas ideias, nas diretrizes de governo, nos projetos, na organização social… Sendo assim, o conflito torna-se inevitável entre quaisquer países, entre quaisquer povos. Logo, é muito subjetivo, muito ‘achismo’ dizer que dificilmente um povo teria entrado em conflito com o outro. Os povos sempre pelejaram e sempre pelejam uns com os outros, mormente o povo judeu. Já nos tempos do rei Assuero os judeus foram condenados à morte e salvos por uma judia, sua então esposa, rainha Ester. Em qualquer tempo, em qualquer época, os judeus podem sim entrar em conflito com qualquer povo. É uma questão de estudar profundamente a história da humanidade, analisar a conduta dos povos e ver que os judeus foram sempre considerados um corpo estranho convivendo com qualquer nação”.

10) Os israelitas comiam carne de animais… O Senhor deve ter conhecimento da lista de animais puros em Levítico e foi Deus quem deu a lista, mas Ele mesmo nos “MANDOU” matar para os sacrifícios, não é? E disse aos sacerdotes que deveriam “comer” da carne dos sacrifícios, certo? O povo também deveria comer as entranhas e tudo o mais. Se Ele deixou comer, por que não o faríamos? O que não é proibido é permitido?

INRI CRISTO: “No princípio da criação, o SENHOR disse: ‘Eis que vos dei todas as ervas, que dão semente sobre a Terra, e todas as árvores que encerram em si mesmas a semente do seu gênero, para que vos sirvam de alimento…’ (Gênesis c.1 v.29). Aí está bem claro que o SENHOR designou os vegetais para servir de alimento tanto para os seres humanos quanto para os animais. Só após o dilúvio o SENHOR autorizara os homens a se alimentar também de animais unicamente porque não havia vegetação disponível; o óbvio é ululante, não carece de explicitação. Todavia, o ser humano viciou-se em alimentar-se de cadáveres e passou a comer para sempre. Mais adiante, em Isaías c.66 v.3, o SENHOR disse: ‘Aquele que imola um boi é como aquele que mata um homem’. Portanto, quem come a carne do boi é como quem come a carne do homem. E eu vos digo, meus filhos: se alguém sentir prazer em banquetear-se em cima de cadáveres, faça bom proveito. Mas para aqueles que quiserem me ouvir, saibam o motivo pelo qual eu não recomendo comer cadáver: quando o animal está prestes a ser abatido, ele naturalmente sente a agonia da morte, e toda essa energia negativa, toda a ansiedade a que o animal é acometido antes de morrer é transmitida para os necrófagos. Na atual conjuntura, a humanidade está demasiadamente arraigada no vício de ingerir cadáveres, por isso é muito difícil uma mudança. Cada qual deve agir de acordo com sua consciência; tenho muitos seguidores que continuam comendo carne e não os censuro, pois jamais devem mudar este hábito alimentar por obrigação ideológica e sim unicamente pela conscientização. Quando alguém vem a mim com vontade de começar uma nova vida em harmonia com a lei divina, aí sim posso instruir como proceder para ter uma alimentação saudável”.

11) Existem leis no Velho Testamento que são atribuídas diretamente a Deus, como o apedrejamento àqueles que trabalhavam no Sábado Sagrado. Êxodo c.35 v.2: ”Seis dias trabalharás, mas o sétimo dia vos será santo, pois é o sábado do repouso ao SENHOR; todo aquele que nele fizer qualquer trabalho morrerá.” Números c.15 v.32-36: ”Estando, pois, os filhos de Israel no deserto, acharam um homem apanhando lenha no dia de sábado. E os que o acharam apanhando lenha o trouxeram a Moisés e a Arão, e a toda a congregação. E o puseram em guarda; porquanto ainda não estava declarado o que se lhe devia fazer. Disse, pois, o SENHOR a Moisés: Certamente morrerá aquele homem; toda a congregação o apedrejará fora do arraial. Então toda a congregação o tirou para fora do arraial, e o apedrejaram, e morreu, como o SENHOR ordenara a Moisés”. Sendo todas as leis de DEUS Perfeitas, Ele realmente ordenou que se matasse dessa forma, ou isso foi invenção dos homens e colocado na Bíblia como divino?

INRI CRISTO: “Naqueles tempos, os filhos de Israel viviam como nômades, não tinham uma morada fixa. Se já é difícil administrar um país, uma cidade onde existem alojamentos, ocupações definidas, imaginai um povo nômade em constante peregrinação. Neste caso, é necessário que existam leis rígidas e bem definidas para manter a ordem; se estas leis forem violadas e não houver um castigo, uma punição, o caos se estabelece. Como não era possível manter prisioneiro o violador da lei, pois naquelas circunstâncias não existia penitenciária, então o SENHOR estabeleceu que fossem apedrejados até a morte os que violassem a lei. Se Ele determinasse que uma única pessoa executasse o réu, o executor ficaria com a dívida carmática da vítima, por isso Ele ordenou que o povo o fizesse em conjunto. Nos dias atuais é chocante ouvir que DEUS autorizara uma espécie de linchamento com pedra. Mas ao obedecer essa ordem do SENHOR, ninguém assumiria a dívida carmática do violador da lei, do delinquente, do réu. Não é que Ele tenha mandado apedrejar; Ele inspirou Moisés a interpretar a lei, mostrando-lhe que essa era a solução a ser posta em prática. Prova disso está no Antigo Testamento; consta que os israelitas não sabiam como proceder e esperavam uma resposta de Moisés: ‘Estando, pois, os filhos de Israel no deserto, acharam um homem apanhando lenha no dia de sábado. E os que o acharam apanhando lenha o trouxeram a Moisés e a Arão, e a toda a congregação. E o puseram em guarda; porquanto ainda não estava declarado o que se lhe devia fazer’. Mas por que era necessário punir os infratores com tamanha severidade? Como eles viviam em campo aberto, constantemente à mercê de mudanças, se não houvesse um corretivo exemplar aos olhos de todos, seria muito difícil manter a lei, a ordem. Porque em verdade vos digo, meus filhos: a paz dos filhos de Israel, a paz da Casa do SENHOR esteve e estará sempre entesourada na observância das leis do SENHOR. Então se não houvesse castigo para alguém que ousasse violar a lei, o povo poderia reagir e dar proporção ainda maior à desordem: ‘Nós fomos injustiçados, não temos lenha para nos aquecer; mas ele pôde buscar lenha no dia de sábado e agora está até melhor do que nós!’. Alguns dentre vós podeis me questionar acerca da colheita de milhos ao sábado, que aconteceu há dois mil anos e está registrado em Mateus c.12 v.1 a 12. Naquela ocasião, eu disse aos discípulos que até do sábado o Filho do Homem é Senhor, porque sendo o Filho de DEUS, eu tinha o poder para decidir, para autorizá-los fazer algo com meu consentimento; cabia-me sim o direito de permitir que colhessem espigas ao sábado. Mesmo nos tempos atuais, às vezes ocorre uma emergência no dia de sábado, então os discípulos(as) solicitam e eu autorizo fazer. Quando eu não estiver aqui na Terra, cada um deve tratar de se organizar fora do sábado. Mas é óbvio que a racionalidade, o bom senso devem perdurar. Por exemplo, se no dia de sábado teu irmão quebra a perna, tu podes consertar ou então levá-lo ao médico; se uma mulher tem que dar à luz, tu podes e até deves ajudá-la. São as exceções da regra, há que se proceder racionalmente. O que não se pode fazer no sábado é trabalhar deliberadamente sem necessidade, sem um motivo forte”.

12) “Disse, pois, o SENHOR a Moisés: Certamente morrerá aquele homem; toda a congregação o apedrejará fora do arraial. Então toda a congregação o tirou para fora do arraial, e o apedrejaram, e morreu, como o SENHOR ordenara a Moisés”.

INRI CRISTO: “O que quer dizer isso? O que aconteceu? Aos olhos terráqueos, podem dizer: ‘Mataram o homem, assassinaram, ele morreu!’ Quando o SENHOR ordenou que apedrejassem o infrator, aos olhos dEle não era a morte, e sim tão somente o recolhimento do espírito do penitente, e o impacto da cena serviria de exemplo para que ninguém mais pecasse. Raciocinando na esfera terrestre, o SENHOR ordenou que matassem um homem, mas Ele poderia simplesmente ter recolhido o espírito do pecador sem que fosse percebido, pois o SENHOR é o grande espírito do qual emanam todos os espíritos. Não obstante, Ele permitiu que ocorresse um espetáculo cinematográfico para servir de exemplo aos demais e manter a paz do ambiente, afinal uma imagem vale mais do que mil palavras”.

13) Existem outras passagens bíblicas em que algo atribuído ao Senhor é na verdade invenção do escritor da passagem bíblica?

INRI CRISTO: “A Bíblia foi escrita por homens que tiveram a inspiração divina, todavia eram seres humanos falíveis sujeitos a erros e exageros. Ao escrever a Bíblia, é possível sim que os autores tenham cometido inúmeras distorções e atribuído ao SENHOR preceitos meramente humanos. Em verdade te digo, meu filho: a Bíblia é um livro de letras mortas e só com anuência do ALTÍSSIMO é possível compreendê-la sem enveredar na ladeira do fanatismo. No bojo da Bíblia existem lendas, fábulas, parábolas e também erros de tradução. Se levares a Bíblia ao pé da letra, irás praticar incesto, porque lá está escrito que Lot teve filhos com suas próprias filhas; tu vais mandar matar crianças e mulheres, porque lá está escrito que Josué matou mulheres e crianças para conquistar a Terra Prometida. Então, se quiseres compreender a Bíblia, antes de abri-la, deves invocar o ALTÍSSIMO e pedir a Ele humildemente: ‘SENHOR, concede-me a graça de entender as tuas santas e perpétuas leis’, ou então deves vir questionar-me pessoalmente e eu esclareço qualquer dúvida, sem dogmas, sem sofismas e sem subterfúgios”.

14) Os livros apócrifos são verdadeiros?

INRI CRISTO: “Ninguém tem autoridade para declarar apócrifos livros que têm milhares de anos. As igrejas farisaicas existem há apenas alguns séculos; não obstante, declaram apócrifos livros milenares. Os fariseus consideram apócrifo o Eclesiástico, um livro de milhares de anos, mais antigo que o Evangelho, todavia dentre todos os livros da Bíblia, é o mais completo em questão de Sociologia e Teologia. Assim também consideram o livro da Sabedoria, que tem milhares de anos. A saber, a Bíblia dos fariseus tem sete livros a menos do que a Bíblia dos católicos, pois declararam apócrifos: 1) Baruc; 2) Eclesiástico; 3)Macabeus I; 4) Macabeus II; 5) Judite; 6) Sabedoria; 7) Tobias. E no livro de Daniel não consta a história de Susana. Como já disse e repito, a Bíblia é um livro de letras mortas, repleto de fábulas, lendas, parábolas. Só com a anuência do ALTÍSSIMO é possível compreender o enigma das Sagradas Escrituras. Ninguém aqui na Terra tem autoridade para declarar apócrifos livros que já existiam há séculos.”

15) Por que Deus não inspirou os tradutores da Bíblia e evitou tantas interpretações humanas equivocadas? Por que Ele não abençoou as pessoas que tanto trabalho, esforço e dedicação tiveram nos trabalhos de tradução?

INRI CRISTO: “Porque se Ele, meu PAI, SENHOR e DEUS, assim tivesse procedido, se Ele tivesse inspirado os seres humanos a fim de que traduzissem tudo corretamente, essas pessoas que usam a Bíblia debaixo do braço como desodorante estariam certas, e então o orgulho e prepotência delas aumentaria ainda mais. Mas DEUS, que é onisciente, onipresente e onipotente, que tudo sabe e tudo vê, permitiu que houvesse tantas interpretações humanas equivocadas a fim de discernir os meros carregadores de Bíblia, que são os fariseus contemporâneos, dos autênticos filhos de DEUS. Os mistérios de DEUS são insondáveis e Ele só revela o que julga relevante revelar aos que cultivam o coração puro e a humildade no coração. Já que os fariseus levam a Bíblia ao pé da letra, se os tradutores não tivessem se equivocado, ninguém teria obrigação de observá-la com olhos cabalísticos; logo, compreender a Bíblia não dependeria da inspiração de DEUS. Inspiração DEUS deu e dá a todos que leem a Bíblia humildemente, sem a prepotência peculiar aos que se consideram salvos. Se o SENHOR tivesse concedido inspiração aos tradutores, esses que agora humildemente Lhe pedem não teriam a ocasião de receber a inspiração e o discernimento para compreender e assimilar suas santas e eternas leis”.

16) O paraíso, além de um estado de espírito, é também um LUGAR? Um lugar à imagem e semelhança da Terra, ou algo mais? Com árvores frondosas mesmo, mundos diferentes, rios, lagos, pessoas (em forma espiritual, mas pessoas, mesmo assim), objetos (também palpáveis à nós, em outra essência material, que não à do Universo), etc.? Ou apenas é um “ponto” (de lugar, propriamente dito) com toda a essência única da existência como apenas estado de espírito?

INRI CRISTO: “O paraíso não é um local encantado com árvores frutíferas, onde todos irão comer, comer e comer, num frenético exercício a caminho da obesidade. No plano terrestre, como tu bem entendeste, o paraíso se localiza no cérebro de cada ser humano, se este estiver em harmonia com o SENHOR DEUS, meu PAI, e com a lei divina. Assim também, o inferno se situa no sistema neuronial de cada ser humano, se ele tiver se desviado da senda do bem viver, se estiver fazendo mau uso do livre-arbítrio. É delírio puro achar que o inferno é um local repleto de demônios com rabo, chifre e fogo. Quem impregnou essas fantasias e engodos há séculos na cabeça do povo foi a proscrita igreja romana (meretriz do Apocalipse c.17). No plano cósmico espiritual, o paraíso é um ‘lugar’, ou uma dimensão, onde existem paz absoluta e harmonia, e onde o tempo não conta, para onde se dirigem os espíritos mais evoluídos após haverem cumprido sua trajetória na terra. DEUS é infinito e eterno, não tem limite de espaço nem de tempo, por isso na linguagem da terra é difícil explicar. Mas lá seguramente não existem árvores frondosas, rios, lagos etc. Resumindo, o paraíso é uma dimensão cósmica que transcende as barreiras da finitude material, ou seja, é a própria eternidade”.

17) Seremos todos um só, não separados, sem lugar finito no infinito, apenas como estado de espírito existencial, sem divisões essenciais como Deus fez acontecer nos sete dias primordiais? Em outras palavras, voltaremos à estaca zero, ou coisa parecida?

INRI CRISTO: “Um dia todas as almas provenientes de DEUS, após completarem seu ciclo de evolução, voltarão a ser com Ele uma só coisa, no gozo eterno e na paz eterna, até porque o planeta terra é finito e não irá durar para sempre. É como se cada alma fosse uma molécula no mar da existência, isenta de personalidade, ego, identidade. Todas as moléculas juntas formam um imenso mar, todas juntas, em perfeita harmonia. Essa é uma forma metafórica de dizer, mas é mais ou menos assim que acontece quando as almas regressam ao seio do PAI”.

18) Os animais evoluem, espiritualmente falando, reencarnando-se de animal a animal, até chegar ao ser humano? Animais têm livre arbítrio? Se não, é por isso que eles não pecam? Animais têm destino, como Deus nos deu também?

INRI CRISTO: “Em verdade vos digo, meus filhos: Charles Darwin foi inspirado pelo CRIADOR. A teoria de Darwin não foi meramente teoria e sim inspiração divina. Todos que agora são seres humanos tiveram que passar por várias etapas do processo evolutivo, desde os mais simples até os mais complexos animais, até chegar ao estágio humano, cujo representante mais antigo sou eu que vos falo, Adão, pai da humanidade, origem de todos. Mas infelizmente, devido ao mal uso do livre arbítrio e ao pernicioso pecado da fornicação degenerada, que ocasionou a procriação desordenada e consequente explosão demográfica, com o agravante da extinção de algumas espécies, nos tempos atuais existem muitos espíritos que não completaram seu ciclo de evolução e estão reencarnando precocemente em corpos humanos. Ou seja, são seres bestiais disfarçados em corpos humanos. Por esse motivo se veem tantos ‘humanos’ comportando-se de forma bestial, literalmente falando. Os animais não possuem livre-arbítrio, portanto não pecam; são seres irracionais, diferente dos seres humanos, que são responsáveis pelos seus atos, palavras e pensamentos. Tudo está predestinado no Universo, inclusive a vida de qualquer animalzinho. Muitos tiveram o destino de serem totalmente extirpados da face da Terra; outros são eliminados pela ambição do homem; outros têm uma curta existência tão somente para manter o equilíbrio ecológico. Se os animais não existissem, os seres humanos não poderiam existir, pois para o harmonioso funcionamento desse enorme organismo chamado planeta Terra é necessário que existam todas essas células indispensáveis, cada qual com sua característica e função peculiar, o que inclui as plantas, as bactérias, os animais de pequeno e de grande porte, e enfim os seres humanos”.

19) O dilúvio atingiu mesmo todo o planeta Terra? Hoje em dia existem milhões de espécies de animais terrestres e aves, e em cada local do planeta as espécies são diferentes. Segundo a teoria da evolução, leva-se milhões e milhões de anos para ocorrer as transformações entre os seres vivos. Como em 5 ou 6 mil anos teriam se multiplicado extraordinariamente as poucas espécies que Noé preservou na arca?

INRI CRISTO: “O dilúvio atingiu os lugares habitados pelos pecadores como uma reação da mãe natureza face à violação da lei de DEUS. Se o dilúvio deveras tivesse atingido todo o planeta Terra como equivocadamente registrou-se nas Sagradas Escrituras, seriam necessários muitos oceanos semelhantes ao que nos envolve nos dias atuais. Quando o homem registrou esse acontecimento, ignorava certos detalhes da geologia e considerou apenas o que seus olhos podiam ver. Por uma questão de justiça, DEUS derramou o dilúvio onde estavam os pecadores. Nos continentes onde não havia terráqueos pecadores, tão somente os animais integrantes do contexto ecológico, não havia por que derramar o dilúvio. Ainda assim, convém salientar que não existe contradição entre a lei de DEUS e a teoria da evolução, que não é meramente uma teoria e sim inspiração divina. A evolução ocorreu sim, não em 5 ou 6 mil anos, todavia em milhões e até bilhões de anos. Se a evolução não existisse, por que DEUS teria criado todos os animais do contexto ecológico para, só depois, criar o homem e dar-lhe poder sobre eles? Porque na verdade o primeiro homem já havia passado por todos os estágios evolutivos anteriores para só então assumir a condição de Primogênito feito à imagem e semelhança de DEUS. Eu que vos falo sou o Primogênito de DEUS, Adão, vosso pai e Pai da Humanidade, que reencarnei como Noé, Abraão, Moisés, David etc. depois como Jesus e agora como INRI. Fui o último para ser o primeiro. Os sete dias da criação divina registrados nas Sagradas Escrituras foram sete dias simbólicos, porque DEUS não se curva a calendário. Um dia para DEUS pode durar um milhão ou um bilhão de anos. Para Ele não faz nem um segundo que fui crucificado. Todavia, naquele tempo em que foram feitos os registros sagrados, a humanidade não estava preparada para compreender e por este motivo o SENHOR inspirou o homem a escrever de uma forma singela. Só agora é que vos posso explicar, da parte de meu PAI, à luz da ciência e da razão, como foi a criação divina. Todas as diferenças entre as raças dos seres humanos e as espécies dos animais devem-se às alterações das condições cósmicas, climáticas e geográficas, que influem na aparência e na formação biofísica dos seres vivos”.

20) Em tempos recentes foi encontrado no Egito um livro que diziam tratar-se do quinto evangelho escrito por Tomé. Este dizia que o líder da Igreja Cristã teria sido Tiago e não Pedro, eleito pelo próprio Cristo. O que o Senhor considera sobre isso?

INRI CRISTO: “Depois de minha crucificação muito falaram de mim, muito cogitaram e muito mais ainda inventaram. Mesmo havendo dito: ‘Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao PAI senão por mim’ (João c.14 v.6), o primeiro falso profeta Paulo (ele mesmo confessa sua condição em I Coríntios c.15 v.9) quis assumir meu lugar. Assim, depois que fui crucificado, qualquer um pôde, à revelia de minha autoridade, por conta própria ou por motivos inconfessáveis, dizer que foi o escolhido. Pode ser verdade que Tiago tenha liderado a minha igreja em Jerusalém; regionalmente, qualquer discípulo pode ter liderado um grupo de pessoas. Mas, segundo o Evangelho que deixei e segundo DEUS me restituiu a memória, por motivos profundos escolhi Pedro para ser o fundador de minha antiga igreja ao dizer-lhe: ‘Pedro, tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja’ (Mateus c.16 v.18). Mesmo tendo Pedro me traído e me negado três vezes, como eu mesmo disse que o tempo passa e as minhas palavras não passam, ele continuou sendo o marco inicial e líder da igreja que deixei há dois mil anos. Só depois, no século IV, o imperador Constantino açambarcou o que sobrou de minha antiga igreja, até então conhecida como seita dos nazarenos, e transformou-a neste principado de iniquidade que todos nós conhecemos, o retrato da meretriz do Apocalipse c.17”.

21) Se o Senhor afirma ser o Primogênito de DEUS, Adão, que reencarnou como Noé, Abraão, Moisés, David, etc. depois como Jesus e agora como INRI, como explica que no episódio da transfiguração o Senhor teria conversado com Elias e Moisés?

INRI CRISTO: “No Reino de DEUS não existe paradoxo, pois para toda dúvida salutar sempre há uma explicação racional. Da parte de meu PAI e SENHOR vos darei a resposta a esta inteligente pergunta. Por ocasião da transfiguração, ocorreu um fenômeno que os próprios discípulos só compreenderam e transcreveram nos Evangelhos para a posteridade porque eu mesmo lhes tive que dar uma explicação a posteriori. Meu PAI e eu somos uma só coisa; o PAI se manifesta em mim, porque é no meu corpo que se inicia o Reino de DEUS e a manifestação do poder de DEUS. Assim podeis compreender o significado de minhas palavras: ‘Bem-aventurados os corações puros, eles verão DEUS’ (Mateus c.5 v.8), porque ‘quem me vê, vê meu PAI’ (João c.14 v.9). Ou seja: quem conserva o coração puro e a alma limpa pode ver a manifestação do PAI em mim, como ocorreu há dois mil anos e ocorre até hoje no fenômeno da transfiguração. Meu rosto tornou-se resplandecente e minhas vestes extremamente brancas pois naquele momento o SENHOR DEUS Todo-Poderoso se apossara de meu corpo físico; consequentemente, meu espírito saíra do corpo e permanecera ao lado do espírito de Elias, que era o João Batista já degolado por ordem de Herodes (“Se vós quereis dar crédito, João Batista é o Elias que vós esperais” – Mateus c.11 v.13 e 14). Depois disto, os discípulos ouviram a voz de meu PAI falando através de minha boca: ‘Este é o meu Filho dileto, em quem pus toda a minha complacência’. Mas depois, quando toquei os discípulos, eles levantaram os olhos e não viram ninguém mais, exceto eu (Mateus c.17 v.1 a 13), porque DEUS é espírito intocável e eu já estava novamente de posse de meu corpo. Agora vamos raciocinar: quem poderia revelar aos discípulos a identidade dos dois espíritos? Se eles não estiveram com Elias nem com Moisés, com que memória poderiam identificar um ou outro se não fosse que posteriormente eu mesmo lhes disse a identidade de ambos? E como eu poderia dizer que era meu próprio espírito ao lado do corpo físico se os discípulos já estavam assustados com o que viram? Uma vez que DEUS me dera consciência há dois mil anos e agora também de todas as anteriores encarnações dentro do contexto bíblico (dentre as quais Adão, origem da humanidade, Noé, Abraão, Moisés, David, etc.), eu disse aos discípulos que era o espírito de Moisés ao lado do de Elias porque só eu sabia e tinha autoridade para dizer quem eram os dois. Se só por haver dito: ‘Antes que Abraão fosse feito, eu sou’ (João c.8 v.58) já queriam me apedrejar, quanto mais se eu revelasse o mistério da transfiguração. Resumindo: os discípulos viram a manifestação de meu PAI em meu corpo; o meu espírito é que então estava ao lado do de Elias, todavia fui eu mesmo quem disse aos discípulos tratar-se de Moisés e Elias, visto seu natural espanto ao contemplarem o fenômeno. Ademais, caso dissesse ser eu mesmo (Jesus) quem estava fora do corpo, os discípulos não teriam faculdade de assimilar. Referi-me então a uma precedente encarnação, Moisés, no afã de facilitar-lhes a compreensão”.

DEIXAR UMA RESPOSTA

9 − 2 =